CPI dos respiradores: Relator, Ivan Naatz defende investigação rápida

Facebook
Twitter
Pinterest

Deputados Sargento Lima ( PSL) e Ivan Naatz (PL), respectivamente  presidente e relator da “CPI dos Respiradores“, instalada nesta semana na Assembleía Legislativa  para apurar responsabilidade na compra dos equipamentos com pagamento adiantado de R$ 33 milhões pelo governo do Estado, tiveram reunião inicial nesta quinta-feira (7) para definição do roteiro de trabalho da Comissão Parlamentar de Inquérito.  O inicio dos trabalhos para debate e provação do roteiro final pelos nove deputados integrantes  esta previsto  para a proxíma terça-feira ( 12) no auditório Antonieta de Barros ,da Alesc, a partir das 17 horas.  Deveão acontecer duas reuniões semanais,  às terças e quintas-feira.

Relator e proponente da CPI, Ivan Naatz  reiterou que pretende concluir os trabalhos com apresentação do relatório final bem antes do prazo regimental estipulado  de até 120 dias. Para ele, há fortes indícios de que houve fraude na compra dos equipamentos e é preciso identificar  “quem apertou o botão” e quem tinha função de fiscalizar  e não o  fez. “ O objetivo é fazer uma investigação rápida. Vamos usar os indícios de provas que já temos  em parelo com a documentação técnica do Tribunal de Contas, das investigações da Polícia Civil e da sindicância interna do próprio governo”, acrescentou. Naatz também antecipou que convidará o ex- delegado regional de Blumenau , Rodrigo Marchetti para auxiliar nos trabalhos de investigação  em função de sua experiencia no setor.

Requerimentos
Na primeira reunião da CPI, também os parlamentares também deverão apreciar o pedido dos deputados João Amin (PP) e Laércio Schuster (PSB) para a acareação entre o secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, o ex-secretário de Estado da Saúde Helton Zeferino e a servidora Marcia Pauli, que participou do processo de compra dos respiradores pela Secretaria de Estado da Saúde.

Também será votado requerimento de João Amin para que o empresário Rafael Wekerlin e o controlador-geral do Estado, Luiz Felipe Ferreira, sejam ouvidos pela CPI. A empresa de Wekerlin, segundo informações veiculadas na imprensa catarinense, enviou ao governo proposta para venda de respiradores mecânicos, que teria sido copiada por outras empresas que participaram do certame. O empresário afirmou ter recebido pedido para pagamento de comissão de R$ 3 milhões para participar da licitação dos equipamentos que ainda não foram entregues.

Os equipamentos ainda não foram entregues. Além disso, os ventiladores teriam configuração inferior à que foi negociada inicialmente entre o Estado e a Veigamed. A comissão também vai investigar o suposto superfaturamento na compra. A CPI foi instalada na última terça-feira (5) e tem como integrantes o presidente Sargento Lima, o vice-presidente Valdir Cobalchini (MDB), o relator Ivan Naatz, além dos membros Moacir Sopelsa (MDB), Felipe Estevão (PSL), João Amin, Milton Hobus (PSD), Marcos Vieira (PSDB) e Fabiano da Luz (PT).

Gostaria de Receber conteúdos exclusivOs?

*Sempre que sair conteúdo novo, será notificado