Valores arrecadados com TPA de Bombinhas não são investidos em projetos ambientais

Facebook
Twitter
Pinterest

– Parlamentar pediu auditoria ao Tribunal de Contas do Estado – TCE-  para esclarecer destinação de  R$ 75, 4 milhões , 70% da arrecadação às três empresas que operam o sistema –

Após o fim de mais um período anual de cobrança da Taxa de Preservação Ambiental – TPA – de Bombinhas , neste dia 15 abril último, para acesso ao município na temporada de verão, o deputado estadual Ivan Naatz (PL) voltou a denunciar , no plenário da Alesc, que a maior  parte dos recursos arrecadados  com o tributo não se destina a projetos e ações ambientais , conforme previsto na lei municipal que criou o pedágio, cobrado desde 2014. Naatz  apresentou um relatório dos últimos dez anos de arrecadação da taxa , com base em dados do Tribunal de Contas do Estado – TCE e do Portal da Transparência  do próprio município, dando conta de que de um total de R$ 108, 5 milhões arrecadados neste período, em torno de 70% , ou seja , R$ 75, 4 milhões foram repassados para as três empresas que operam o sistema, incluindo serviços de limpeza da cidade e praias, e apenas 1% com o meio-ambiente.

Entre os dados apresentados , o deputado chamou a atenção para uma “estranha curiosidade “, apontando que no ano de 2017  ( pré-eleitoral”)  a arrecadação total com a TPA foi de R$ 6 milhões  e 884 mil,   mas que o total de repasse só para a empresa de Limpeza , D&Z Serviços de Limpeza Ltda , contratada de forma emergencial , foi de R$ 7 milhões e 66 mil , ou seja, 2% superior a arrecadação do período.E ainda comparou a média anual dos custos anuais com serviços de limpeza e varrição em Blumenau (360 mil habitantes) que é , segundo ele, em torno de R$ 2 milhões, enquanto que em Bombinhas ( 25 mil habitantes ), ficou na média de R$ 5 milhões e 300 mil, pelos valores coletados, apenas no período da temporada de verão.

´”É a maior fábrica de dinheiro do Brasil. Caso de fraude e corrupção com interesses políticos , já que são empresas parceiras da administração municipal e com aumento progressivo de faturamento desde a implantação do sistema”, afirmou Naatz. O deputado também teve aprovado na Comissão do Trabalho , Administração e Serviço Público, a qual preside, um requerimento ao Tribunal de Contas do Estado, solicitando auditoria na execução orçamentária e financeira da arrecadação com a TPA no período de 2015 a 2024.

PEC DOS PEDÁGIOS – O deputado Ivan Naatz   é o autor de Projeto de Emenda Constitucional , a chamada “PEC dos Pedágios Urbanos, aprovada em 2020 pela Alesc e que alterou o artigo 128 da Constituição Estadual, com o objetivo de proibir a cobrança de taxa de qualquer natureza que limite o tráfego de pessoas ou de bens,  a exemplo da Taxa de Preservação Ambiental, em todos os municípios catarinenses. Mesmo promulgada como nova lei pelo parlamento estadual, e com recomendação pela suspensão da TPA de Bombinhas feita pelo Ministério Público no ano passdo , além de ações judiciais em andamento , a administração municipal vem mantendo a cobrança sob alegação de que em 2019 uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a constitucionalidade da lei municipal e do tributo. “ O sistema só continua operando porque as instituições nesse país não estão funcionando como deveriam “, lamenta Naatz .

Gostaria de Receber conteúdos exclusivOs?

*Sempre que sair conteúdo novo, será notificado